terça-feira, 15 de julho de 2014

Quando o estômago dói. Ou: está hard.

Dia de drama queen. Faz parte.
Por motivos diversos e alheios a minha vontade, o clima está hard. 

Meu D'us que semana!!! E mal começou a terça feira. Meu estômago, que nunca nem lembrei que existia, começou a doer feito louco. Começou na quinta passada, quando de um dia pro outro, não estou exagerando... foi de um dia pro outro mesmo, ele resolveu dar o "ar da graça".
Tinha quinta a tarde e sexta, manhã e tarde pra escolher, comparar preços e et cetera do nosso apê - home sweet home - em construção (enfim, entrando em fase de acabamento, previsão de ser entregue em final de 2016 - oremos). Olha, não é mole não. Pessoas normais, com vidas normais, gastam quanto tempo numa decisão dessas?!? Semanas? Meses? Pior foi zerar com Z maiúsculo todo resto de dindim guardado que tinha nessa brincadeira. Fora a droga de negociação, aff. Não nasci pra isso, maridex é bom de negociar, sabe pedir desconto, e tudo o mais. Eu? Bem, quase infarto de tanta tensão. Juro, se bobear pago até mais caro só para não passar por esse tipo de negociação. Mas como não estamos nadando em moedinhas com o tio Patinhas, o negócio é sofrer. No final da sexta eu já não podia mais de tanta dor, e só faltei implorar pra amoremio ir lá fechar logo a compra. No fim, ele conseguiu um bom desconto, quase 5 mil reais. Valeu, já que conseguimos ficar dentro da nossa possibilidade real de compra. Não precisamos pegar dinheiro emprestado, isso seria o fim-do-mundo, já que nunca pedimos antes e vai contra nosso planejamento. Todavia, acabou a folga (folga?!? rá!), acabou a poupança, acabou tudoooooooo. Não existe mais fundo do tacho, acabou. Neca de volume morto, neca de neca. Acabooooooooooooooooooou!
Eis que estômago resolveu então dar um oi pra mim, pra vida, pro mundo e exigir atenção... muita atenção. Já disse que nunca senti dor no/de estômago?!? Daí FDP do estômago-zito começou a doer, doer, doer...  E eu comecei a comer, comer, comer. Duas latas de brigadeiro só ontem. Dentro em breve: insana, flácida e falida. Só me falta começar a beber, aff.  Everybody macacada, in home, nervosa e de mau humor. 
Salva-se, um pouco, baby two que sente o clima no ar, mas não tem noção exata do que se passa.  E, quinta começa a maldita reunião que vai, de novo, "decidir nossas vidas", ou seja dizer pra onde vamos, se vamos e quando vamos. Não é fácil, não. Viver sempre à espera de uma lista. PQP. Está teeeeeeeeeeenso!
Tudo que queria era enfiar a cabeça debaixo do travesseiro e só acordar na sexta, ou  no sábado... sei lá. Mas não posso porque disse pra baby one que a vida segue e ficar na cama não resolve na-da. É verdade? É. Nada de choro, nada de drama, a vida segue. Ela está abalada pq não passou de primeira no vestibular que fez em junho (no dia no niver dela, lembram?) para a UNB. Tirou mais de 9,7 na redação, abalou bangú nas descritivas... mas se deu mal nas objetivas (uma errada anula uma certa). Pra quem foi e é top aluna, foi um tropeço e tanto. Nem só de alegrias e vitórias vive o homem, uma decepção ou outra, aqui e acolá, ajuda a crescer, a amadurecer e a ficar mais forte. Por isso botei ela, entre lágrimas, pra fora de casa, de volta às aulas na escola. Gente, que dor!
Sem falar do sono atrasado, mais de mês sem dormir direito, pesadelos & pesadelos level "o exorcista". Bora rezar que o santo é de barro...
Verdade seja dita: que dá uma vontade imensa de hibernar, ah... dá. Mães sempre se phodendo por não poder contrariar o conselho que dá pros próprios filhos. 
Saco! Sacoooooooooooooooo!! S A C O !!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Falaê...

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...